Ξ  

 

 SOBRE A DEFICIÊNCIA VISUAL

Siga este site no Facebook.     Siga este site no Twitter    Envie um email à Webmaster do Site

O Podcast para Deficientes Visuais

João Bottentuit Junior & Clara Pereira Coutinho

Podcasts


Resumo | Apresentamos neste artigo, uma ferramenta da Web 2.0 que se encontra em larga utilização em contexto educativo, em vários países, que a nível educacionais poderá trazer imensos benefícios quando utilizados com indivíduos portadores de deficiências a nível visual. Esta ferramenta é o podcast que possibilita o acesso a informações, notícias, entrevistas e até mesmo aulas através de episódios gravados em formato áudio. Começamos por discutir um pouco acerca da nova geração de ferramentas da Internet e seus potenciais educativos, em seguida apresentamos o podcast e suas vantagens quando utilizados com pessoas com necessidades especiais.

Num mundo globalizado onde o tempo é cada vez mais escasso, o podcast surge como uma tecnologia alternativa de apoio ao ensino tanto na modalidade a distância como presencial. Permite ao professor disponibilizar materiais didácticos como aulas, documentários e entrevistas em formato áudio que podem ser ouvidos a qualquer hora e em diferentes espaços geográficos. A ideia inicial do podcast era permitir que os utilizadores distribuíssem seus próprios episódios, mas o sistema está sendo usado cada vez mais para outras finalidades, como transmissão de notícias e entrevistas, informações bem como, incluindo propósitos educativos.

Podcast é uma palavra que advêm do laço criado entre Ipod (aparelho produzido pela Apple que reproduz mp3) e Broadcast (transmissão), podendo ser definido como um episódio personalizado gravado nas extensões mp3, ogg ou mp4, ou outros formatos digitais que permitem armazenar músicas e arquivos de áudio num espaço relativamente pequeno. Os Podcasts podem ser guardados no computador e/ou disponibilizados na Internet e vinculados a um arquivo de informação (feed) que permite que os utilizadores assinem os programas, recebendo as informações sem precisar ir ao site do produtor (Barros & Menta, 2007).

Associados ao conceito de podcast estão uma série de termos específicos que é importante deixar claro. Nesse sentido, entende-se por podcast uma página, site ou local onde os ficheiros áudio estão disponibilizados para carregamento; Podcasting é o ato de gravar ou divulgar os ficheiros na Web; e, por fim, designa-se por Podcaster o indivíduo que produz, ou seja, o autor que grava e desenvolve os ficheiros no formato áudio (Bottentuit Junior & Coutinho, 2007).

Medeiros (2007) classifica os Podcasts em quatro modelos diferentes: o modelo “metáfora”, o modelo “editado”, o modelo “registo” e o modelo “educacional”.

O modelo “Metáfora” é assim classificado, pois possui características semelhantes a um programa de rádio de uma emissora convencional, com os elementos característicos de um programa como: locutor/apresentador, blocos musicais, vinhetas, notícias, entrevistas, etc. Medeiros (2007: p. 5)

O modelo “Editado” surgiu como uma alternativa para aqueles ouvintes que perderam a hora do seu programa favorito, mas ainda desejam ouvi-lo. As emissoras de rádio editam os programas que foram veiculados na programação em tempo real, disponibilizando-o no seu site para ser ouvidos à posterior pelo ouvinte “descuidado” como, por exemplo, os arquivos sonoros disponibilizados por emissoras de rádio como a BBC (idem, ibidem)
 
O modelo “Registo” é também conhecido com “audioblog”. Neste modelo o mais curioso é que possuem temas diversos. É possível encontrar Podcasts com conteúdos que vão dos mais específicos como notícias e comentários de tecnologia Macintosh, sermões de padres, guias de turismo, ou até mesmo “desabafos em um congestionamento”. (idem, ibidem)
 
O último modelo, cuja utilidade é mais recente e associada a educação a distância, são os “Educacionais”. Através desse modelo de podcast é possível disponibilizar aulas, muitas vezes em forma de edições continuadas, semelhantes aos antigos fascículos de cursos de línguas que eram vendidos nas bancas de revistas (idem).


O fenómeno do podcast é recente, mas tem atingido índices exponenciais de crescimento. Em 2005, podcast foi considerada “a palavra do ano” pelo dicionário “New Oxford American Dictionary” e, em menos de seis meses de existência, foram encontradas no Google mais de 4.940.000 referências para a palavra podcasting. Estima-se que há mais de 6 milhões de utilizadores do sistema no mundo (Rezende, 2007). Em Fevereiro de 2004, a palavra apareceu no jornal inglês The Guardian como um sinónimo para audioblog, ou seja, blogar com áudio em vez de blogar com textos. No começo do ano de 2006, os concorrentes do iPod acrescentaram outro significado para o termo podcast: personal on demand broadcast, que pode significar algo como “transmissão pessoal sob encomenda” (Foschini & Taddei, 2006).

Mindlin (2005), afirma que as estimativas actuais indicam que 30 a 57 milhões de cidadãos nos Estados Unidos irão aceder e utilizar a tecnologia podcasting até 2010.Segundo Chen (2007), a popularidade do podcast explica-se pelos seguintes factores:

  • a) Permite que qualquer um com um microfone, computador e conexão à internet, publiquem arquivos áudio que podem ser acedido por outras pessoas em qualquer lugar do mundo;
  • b) Os ficheiros do podcast podem ser automaticamente descarregados (de um ou) para um dispositivo móvel, e ser ouvidos quando e onde for mais conveniente;
  • c) O podcast é gratuito;
  • d) Os utilizadores não precisam de pagar para descarregar os ficheiros do podcast;

Convém salientar que o podcast não se limita à simples utilização do Ipod ou do MP3 na educação. O que faz a diferença desta ferramenta relativamente ao simples descarregar de ficheiros áudio da Internet, são o RSS bem como a facilidade de criação e gravação de episódios directamente na Web. Quando um utilizador subscreve o serviço RSS é notificado via e-mail todas as vezes que a página do seu podcast é actualizada o que faz com que o utilizador não precise consultar os Podcasts diariamente, porém estando sempre a par das últimas novidades postadas pelos professores/ autores do podcast.

De acordo com Foschini & Taddei (2006), esta nova forma de comunicação está associada a uma mudança no padrão de comportamento dos habitantes do mundo global em que vivemos: ouvir, na hora e lugares mais convenientes, programas obtidos na variada programação que existe na rede global, seja tanto por prazer (um programa de rádio, uma entrevista) ou necessidade (uma aula). O podcast possibilita escolher entre milhares de vozes que se manifestam em todo o mundo, que contam histórias, trazem notícias, dizem piadas e que estão sempre à nossa espera, quase sem custo e com a promessa de bons momentos.


1. Podcast para Deficientes Visuais

O podcast possui uma série de atributos específicos, que podem ser aproveitados por uma grande quantidade de pessoas que necessitam de formação, mas que dispõem de pouco tempo para estudar e assistir aulas regulares. Essa tecnologia poderá também ser muito útil para quem tenham alguma necessidade especial, como é o caso da falta de visão. Segundo Camargo Filho & Bica (2008: sp) “a impossibilidade de acesso ou utilização da tecnologia traz prejuízos consideráveis ao indivíduo, limitando sua capacidade produtiva e mesmo sua cidadania”. Ou seja, os ambientes devem ser acessíveis para que todo tipo de indivíduo com qualquer que seja a sua limitação (visuais, auditivas, físicas, de fala, cognitivas, de linguagem, de aprendizagem e neurológicas, etc).

A inclusão escolar é uma necessidade actualmente inquestionável. Ela é um direito do deficiente visual, e um dever de toda sociedade. A escola inclusiva tem sido concebida como a melhor alternativa, ou seja, onde o aluno com deficiência visual deve estar em uma sala de aula comum (Mól, 2006). Nesta perspectiva, o professor deverá criar actividades que propiciem o estímulo a capacidade auditiva, como forma de integração deste aluno com os demais estudantes, e o podcast poderá funcionar perfeitamente para este tipo de actividade.

A nível educacional já existem alguns estudos realizados em interacção com o podcast e que podem atestar os potenciais e educacionais desta ferramenta com estudantes regulares (Sousa & Martins 2007, Castro, Lima & Moraes, 2008, Miller &Stokes, 2009). Porém na literatura investigada, nada é referido sobre experiências concretas na utilização do podcast com deficientes visuais. Este é um campo ainda inexplorado e que carece de investigações, a fim de identificar os benefícios que esta tecnologia poderá trazer aos invisuais, que tanto necessitam de formas inovadoras de acesso a informação dado as suas limitações. Neste sentido, apresentamos algumas vantagens de utilização do podcast para este público a partir das considerações citadas por Bottentuit Junior & Coutinho (2007, 2008). Ou seja, esta tecnologia poderá apresentar as seguintes características:

a) Um interesse maior para aprendizagem dos conteúdos devido a uma nova modalidade de ensino introduzida na sala de aula (para além das aulas e recursos disponíveis através da utilização dos recursos em Braille 1);
b) Um recurso que ajuda nos diferentes ritmos de aprendizagem dos alunos visto que os mesmos podem escutar inúmeras vezes um mesmo episódio a fim de melhor compreenderem o conteúdo abordado;
c) A possibilidade da aprendizagem tanto dentro como fora da escola;
d) Se os alunos forem estimulados a gravar episódios aprendem muito mais, pois terão maior preocupação em organizar um bom conteúdo e disponibilizar o material correcto e coerente para os colegas;
e) Falar e ouvir constitui uma actividade de aprendizagem muito mais significativa do que a leitura em Braile. (Braille é um sistema de leitura com o tacto para cegos inventado pelo francês Louis Braille).
f) Criar uma programação personalizada e alternativa, que pode ser interrompida por momentos e facilmente retomada sem nenhuma perda de conteúdo (Amaral &Melo, 2006: p.50).

As estratégias de uso do podcast com deficientes visuais, poderá ocorrer em múltiplas situações ficando a cargo do professor utilizar de toda a sua criatividade para tirar partido deste recurso, que poderá garantir uma maior participação e inclusão dos invisuais. Neste sentido, podemos indicar como estratégias:

a) A gravação de histórias e narrativas de factos ocorridos na vida destes alunos como forma de registo;
b) A criação de uma programação de rádio com notícias variadas, onde cada aluno ficaria responsável pela gravação de pequenos episódios;
c) A criação de uma biblioteca digital de textos por parte dos professores, em formato áudio, onde os alunos poderiam enriquecer seus conhecimentos;
d) A discussão ou feedback de textos e trabalhos realizados em formato áudio, constituindo-se num fórum em formato digital.
e) A gravação de entrevistas realizadas pelos alunos a outros professores, escritores e investigadores, como forma de incentivo a pratica da investigação;
f) O intercâmbio entre Podcasts produzidos por alunos de salas distintas, ou seja, cada turma ficaria responsável pela gravação de episódios que seriam utilizados por outras turmas;


Como vimos neste tópico o podcast poderá converter-se numa poderosa ferramenta no processo de inclusão dos invisuais no mundo das tecnologias, dando-lhes espaço no mundo virtual. Como não há um modelo de ensino ideal nem mesmo uma ferramenta que prometa resolver todos os problemas do ensino e da aprendizagem humana, o podcast deve ser entendido como mais uma ferramenta que pode ser utilizada em contexto pedagógico, que possui atributos específicos e diferenciais que podem (e devem) ser combinados com outros métodos e com outras ferramentas em prol da melhoria da aprendizagem. Um dos grandes atributos do podcast é ser uma ferramenta simples que não exige grandes investimentos, bem como poderá motivar os alunos tanto para a produção como consumo de informações. Estes episódios se bem produzidos poderão converter a informação em conhecimento.


Considerações Finais

A utilização do podcast pode trazer enormes benefícios para a educação de pessoas com necessidades especiais, fazendo com que cada vez mais os alunos possam aprender independente do tempo (anytime) e do espaço (anywhere), publicando com facilidade e rapidez todos os conteúdos que sabem e que desejam compartilhar com os seus colegas reais e virtuais. Bem como uma forma inovadora de receber ou produzir conhecimento.

O consumo de aparelhos que permitem a execução de ficheiros áudio é cada vez maior e até mesmo alguns aparelhos de telemóveis já permitem o armazenamento de arquivos áudio fazendo com que a adesão a esta modalidade de ensino possa vir a ser cada vez maior e mais fácil. A miniaturização dos equipamentos tem tornado estes leitores de formato áudio cada vez menores, mais baratos e com capacidades de armazenamento extraordinárias, possibilitando o armazenamento de um conjunto muito vasto de material áudio.

O ensino baseado nos recursos disponíveis na Web é uma forma de renovar as práticas lectivas e que constitui um desafio tanto para os alunos como para os professores. Não faz, pois sentido continuar a ignorar o potencial educativo da Internet;pelo contrário teremos de ser todos quantos queremos mais e melhor Educação a explorar a diversidade de oportunidades que tem para oferecer e que importa investigar.

FIM

 

ϟ

excerto de

Podcast: uma Ferramenta Tecnológica para auxílio ao Ensino de Deficientes Visuais (2009)
autores:
- João Batista Bottentuit Junior (Universidade do Minho – Braga - Portugal)
- Clara Pereira Coutinho (Universidade do Minho – Braga - Portugal)
Investigação financiada pelo Centro de Investigação em Educação – CIED da Universidade do Minho

in
8º Congresso LUSOCOM: Comunicação, Espaço Global e Lusofonia. Lisboa: Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias. p.2114-2126. 14 e 15 de Abril.  ISBN978-972-8881-67-2

fonte: https://repositorium.sdum.uminho.pt/

 

Δ

4.Jun.2019
Maria José Alegre