Ξ  

 

 Sobre a Deficiência Visual


Caso de Ceguinho

Carlos Drummond de Andrade
 
St.ª Luzia - Convento de S. Francisco, Beja
St.ª Luzia - Convento de S. Francisco, Beja


- Não viu o letreiro: "É expressamente proibida a entrada"?

- Desculpe, mas... O senhor não está percebendo?

A bengala branca palpava terreno. Era cego. Um rapaz tão bem apanhado! Duas ou três funcionárias aproximaram-se, enquanto o servidor que fizera a pergunta, encabulado, ia dando o fora.

Os óculos pretos do ceguinho, (todo cego é ceguinho, no coração da gente) ocultavam-lhe pudicamente o mal.

Cercado de moças, pareceu mais à vontade, e dirigiu-se a uma delas, por acaso a mais bonita:

- Sei que não é permitido, peço mil desculpas... A necessidade me obriga a isso. Não, não é auxílio. Eu vendo blusas, soutiens, essas coisinhas, compreende?

As moças entreolharam-se, o regulamento não admite comércio em repartição, ainda mais repartição da Fazenda. Mas, pode haver regulamento para ceguinhos? E aquele era tão bem apanhado. E há sempre necessidade, desejo ou curiosidade de uma blusa nova, um baby-doll.

Todas estavam precisadas de alguma coisa, todas estavam, por assim dizer, nuas.

Então a moça a que ele recorrera tomou a iniciativa de comprar. Os homens fingiram não perceber a infração.

O ceguinho abriu a valise de avião e foi tirando seus artigos. Gabava-lhes a renda finíssima, a qualidade da espuma de látex, o elástico substituível.

Pedia licença para estender a blusa no peito das moças, para que vissem o efeito. Compraram tudo de que precisavam ou não, ele agradeceu à madrinha - porque a essa altura já se considerava madrinha:

- A senhorita me deu sorte. Santa Luzia que a faça muito feliz! E, apertando-lhe o braço, com efusão:

- Posso pedir-lhe mais uma caridade? Podia. Era acompanhá-lo a outras salas. Ele temia ser mal recebido outra vez.

Como seu anjo-da-guarda não haveria perigo. E lá se foram, ela guiando, ele vendendo. Que confiança adquirida rapidamente na moça! Ia amparado a seu braço, talvez com um pouco de exagero.

Ela ia pensar isso - mas arrependeu-se antes de pensar. Um pobre ceguinho! Quando extirparás de teu coração, Adelaide, a erva má da suspeita? Pois com tanto cuidado, ainda assim ele tropeçou em alguém no corredor, e teve de agarrar-se a ela, com expressão ansiosa no rosto.

Sua respiração era apressada, tinha as mãos quentes. Que susto! Ficou assim algum tempo, como aninhado em sua benfeitora.

Não seria tempo demais? Ela ia de novo achar esquisito. Seria mesmo cego o rapaz? Aqueles óculos indevassáveis... Conteve-se, antes de sentir-se mais uma vez uma infame pecadora:

- Não é melhor o senhor ir embora? Deve estar cansado, Já vendeu bastante... Ele entendia que não, estava disposto a vender até o fim do expediente, com uma fada a protegê-lo, não é todos os dias que se encontra uma fada no caminho.

Ela o foi encaminhando para perto do elevador, dizendo-lhe que não era fada coisa nenhuma, era uma simples datilógrafa-mensalista, ele protestava, queria de novo sentir-se aconchegado, defendido, gabava-lhe o perfume. ..

O elevador abriu-se. Com suavidade e firmeza ela o impeliu para dentro, pediu ao cabineiro que tivesse cuidado com o ceguinho - se é que ele era mesmo ceguinho.

FIM



ϟ
 

Fotografia de Carlos Drummond de Andrade

Carlos Drummond de Andrade (Itabira, 31 de outubro de 1902 — Rio de Janeiro, 17 de agosto de 1987) é considerado um dos maiores poetas do Brasil, devido à repercussão e alcance de suas obras. Fundou "A Revista", para divulgar o modernismo no Brasil. Além de poesia, produziu livros infantis, contos e crônicas.

Carlos Drummond de Andrade
Fonte: http://intervox.nce.ufrj.br/
 


Δ

[10 Dez 08]
Publicado por MJA