Ξ  

 

 Sobre a Deficiência Visual

A Importância da Assinatura para a Inclusão da Pessoa Cega

Ethel Rosenfeld
 

assinatura de António Feliciano de Castilho [1800-1875]
assinatura de António Feliciano de Castilho |1800-1875

 

Assinar o seu próprio nome é um acto de emancipação.

Muitas vezes uma pessoa cega, por não saber assinar o seu nome e usar a impressão digital, é confundida ou passa a imagem de uma pessoa analfabeta. Assinar seu próprio nome é um ato de emancipação. Ao assinar um diploma, a carteira de identidade, a carteira profissional, documentos, título eleitoral e até cheques, a pessoa cega adquire sentimentos de auto-realização, de independência e de responsabilidade. E não assinar traz o desconforto da menos valia e acentua a desigualdade.

Para que esta situação não se instale, é preciso não esquecer de inserir no currículo dos alunos portadores de deficiência visual, o ensino da escrita cursiva como também é de suma importância o ensino da datilografia comum.

A assinatura é um dos meios facilitadores para romper as barreiras do preconceito e informar a sociedade que o portador de deficiência visual também é um cidadão que, através de um gesto
consciente, característico e pessoal, pode deixar marcada sua identidade nos documentos.

As pessoas cegas que não tiverem oportunidade de aprender a escrita cursiva durante a sua formação básica, têm dificuldades em aceitar ou em compreender a importância desse ato, não manifestando interesse pelo seu aprendizado e cabe a nós mostrar-lhes o quão importante é assinar o seu próprio nome para diminuir uma possível imagem negativa em relação ao deficiente visual.

Não há técnica específica e única para um professor ensinar escrita cursiva, esta atividade vai do bom senso e da intuição do professor.  Aqui seguem algumas sugestões para desenvolvermos este trabalho:


1 - Observar se o aluno já tem bem trabalhado o seu esquema corporal e, principalmente, se é capaz de dissociar movimentos de pulso, cotovelos e ombros;

2 - Observar se a coordenação motora fina esta bem desenvolvida;

3 - Observar a orientação espacial;

4 - Observar a formação de conceitos quanto à linhas retas, quadradas, inclinadas, ângulos, curvas e sinuosas;

5 - Observar a memória tátil e sinestésica.


Observação:
O braille é linear tanto na leitura quanto na escrita; os movimentos são retos; os símbolos estanques e, por isso, se torna um pouco mais trabalhoso passar as noções de movimentos circulares, ondulares e unidos, tais como se apresentam na escrita cursiva.
Etapas do Trabalho:
― Apontando com o dedo indicador, fazer movimentos circulares no espaço livre.
― Fazer os mesmos movimentos na parede.
― Usar as duas mãos neste momento, sendo que a esquerda fica na parede marcando o limite.
― Trabalhar a seqüência das linhas:
     - Reta;
     - Quebrada;
     - Quebrada Inclinada (ziguezague);
     - Sinuosa;
     - Ondulares (semicírculos);
     - Laço (idéia do "L").


6 - Com isopor e elástico, mostrar o movimento das letras tanto no espaço vertical quanto no horizontal e pedir que o aluno reproduza no isopor. Se necessário, usar o seu próprio corpo para que sinta o movimento das letras. As sensações cutâneas retêm com mais rapidez, facilidade e globalidade as formas marcadas. Pode-se usar o rosto, pois, através das linhas do rosto encontramos formas de mostrar as letras (como exemplo, o livro de Maria da Glória Beutenmuller, "Das Linhas do Rosto as Letras do Alfabeto").

7 - Trabalhar na tábua emborrachada e porosa com um punção de ponta grossa, tampa de caneta e papel plastificado ou celofane, para obtermos o efeito de relevo.

8 - Por último, lápis, caneta e papel com o guia-mão.

Dependendo do aluno, este processo levará de um a três meses ou mais.

FIM

 


 

ϟ
 

Ethel Rosenfeld é professora especializada na educação de pessoas com deficiência visual. Para a produção deste artigo colaborou com Celina B. M. Campos, professora especilizada em deficiência visual.

Fonte: Rede SACI, 2003
 

 

Δ

7.Jan.2013
publicado por MJA