Ξ  

 

 Sobre a Deficiência Visual

Alfabetização da criança cega: uma reflexão necessária

Maria da Glória Almeida

 Alfabetização da criança cega


A educação especial caracteriza-se, sempre, por oferecer um atendimento um tanto padronizado aos indivíduos que reclamam atendimento a necessidades educativas especiais. Considerando-os todos como pessoas capazes de se desenvolverem através do concurso de teorias da aprendizagem comportamentalistas, fortaleceram-se os estigmas que rotulam cada deficiência.

Sem sombra de dúvida, o período de alfabetização é aquele em que afloram os mais graves problemas verificados no correr do desenvolvimento mental da criança cega. Nessa fase, accionam-se esquemas interpretativos de fundamental importância; a ocorrência de falhas na construção das estruturas cognitivas durante as etapas evolutivas desse desenvolvimento trará ao alfabetizando graves dificuldades e irremediáveis fracassos.

Sabe-se, todavia, que o processo de aprendizagem de uma criança portadora de deficiência visual requer procedimento e recursos especializados. Para que seu crescimento global se efective, verdadeiramente, faz-se necessário que lhe sejam oferecidas muitas oportunidades de experiências, e inúmeras habilidades devem ser trabalhadas. Isto significa que uma criança cega deve ser educada sob a orientação de vários meios e exercícios de condicionamento. Este enfoque, antigo e superado, deve ser mudado.

A criança cega precisa ser percebida como um ser inteiro, dona dos seus pensamentos, e construtora, ainda que em condições peculiares, do seu próprio conhecimento. Vê-la como um produto de treinamentos milagrosos é uma distorção que exige uma revisão urgente. Em meio a diversas propostas educacionais, surge o construtivismo. Ao tentar compreendê-lo, buscam-se novos rumos para que se ampliem as probabilidades de sucesso na alfabetização de crianças cegas.

A importância do aprofundamento dessa procura liga-se à necessidade de inserir a educação de pessoas portadoras de deficiência visual a discussões educacionais mais amplas. A educação em si, bem sabemos, não é “especial”. Especiais, pode-se afirmar, são os procedimentos e recursos didáctico-pedagógicos.

O período de alfabetização suscita muito cuidado e impõe esmerado preparo aos professores. As dificuldades e os frequentes fracassos dos educandos nessa fase escolar exigem uma mudança de atitude, e a tentativa na procura de outros caminhos.

A escola precisa dinamizar sua atuação, os educadores precisam acreditar no seu ofício, a criança precisa ser levada a descobrir o seu verdadeiro papel no processo ensino-aprendizagem. A educação, como elemento transformador, precisa provocar a participação e a interacção entre escola, educadores e educandos.

Assim, a validade dessa discussão prende-se ao fato de que é necessário compreender o processo de aprendizagem de uma criança cega: apreendendo passo a passo suas descobertas, promovendo seu desenvolvimento como um indivíduo capaz de crescer e realizar-se a despeito da deficiência que carrega.

Novas concepções aparecem para que os alfabetizadores possam reflectir. São princípios a serem analisados e não soluções apontadas, modelos experimentados ou aprovados. No entanto, é preciso levantar tais questões e procurar uma nova pedagogia que atenda os anseios do homem desse final de milénio. A educação espelha a ideologia de seu tempo, e caminha para o século XXI. Não é mais possível deixar uma criança cega à margem do seu próprio crescimento, fora do momento histórico em que vive. Ela tem de tomar consciência de si mesma, de suas reais possibilidades. Como qualquer outra criança, deverá perceber que constrói seu conhecimento, interpreta e reinterpreta a realidade que a rodeia, e cria e recria as coisas do seu mundo infantil.

O construtivismo vem como um novo caminho, uma fonte de análise para que os educadores repensem profundamente as práticas pedagógicas.

É imprescindível examinar essas questões. Tendo em vista os grandes problemas verificados durante o processo de alfabetização de crianças cegas, é importante que os alfabetizadores revejam a relação com seus alunos, reflictam sobre suas metas de ensino, despertem para objectivos claros e bem definidos, a fim de que a acção educativa esteja, realmente, em consonância com as necessidades do educando.

É um momento em que alfabetizandos e alfabetizadores se debatem em meio a múltiplas dúvidas e enormes tropeços. É um período de desafios e de descobertas imprevisíveis, tanto nos aspectos negativos quanto nos positivos. Por tais razões, é preciso que os professores que desejam dedicar-se a esse campo educacional tenham o preparo que se exige, para que os resultados obtidos sejam, na realidade, os mais proveitosos.

A esses profissionais fica a tarefa de estudarem os três eixos principais onde seus trabalhos devem estar apoiados, conforme demonstrados no quadro abaixo:


Eixo Linguístico:
Quem alfabetiza transmite os fundamentos básicos que estruturam uma determinada língua. Por isso, alguns princípios linguísticos precisam ser trabalhados com critério e competência.

Eixo Social:
Entende-se que a língua e a linguagem são dois instrumentos sociais. O homem fala e se comunica porque pertence a um determinado grupo social no qual se desenvolvem valores culturais específicos. A escrita é um objetivo socialmente estabelecido e a análise a respeito do assunto deve merecer destaque.

Eixo Construtivista:
O construtivismo deverá ser estudado, como não poderia deixar de ser, a partir das pesquisas de Jean Piaget. A aquisição do conhecimento, ao correr das etapas evolutivas da criança, deverá constituir-se no alicerce dessa nova postura pedagógica. Os aspectos cognitivos da criança cega precisarão ser vistos e cotejados como os da criança vidente. Fazendo-se o confronto entre o processo do desenvolvimento mental de crianças videntes e de crianças cegas, pode-se estabelecer um paralelo de como se processa a aprendizagem dos dois grupos. Finalmente, é de suma importância verificar a aplicação do construtivismo e fazer o estudo comparativo entre as possibilidades, e, principalmente, o volume de oportunidades de aprendizagem entre crianças videntes e cegas.

À luz da linguística, da sociologia, da epistemologia e da psicologia genética deve-se buscar a explicação do fenómeno “alfabetização”, ampliando sua abordagem. Mesclando todas essas correntes do conhecimento humano, aos educadores é oferecida uma gama variada de saberes e pensamentos. Aquilata-se assim, a complexidade que envolve a educação especial.

Educar uma criança cega não é uma missão simples: é uma opção profissional imposta por uma grande vocação e deve estar baseada na consciência da responsabilidade de alguém que precisa investir no seu próprio trabalho, para que essa escola se transforme num desempenho digno que infunda respeito e credibilidade.
 

boneco Braillin


É preciso refletir: o que é alfabetizar?

Por que essa etapa, dentro do processo educacional, externaliza as mais profundas preocupações de educadores, psicólogos, cientistas sociais? Como envolver crianças, jovens e adultos nessa conquista? Tais perguntas poderiam juntar-se a outras mais, que no entanto, convergiriam para um único ponto: o indivíduo.

Fala-se de cidadania, justiça social, de liberdade e de democracia. Inscrevem-se nestas palavras conceitos concretos, ainda que complexos, que deverão ser os pilares onde a educação, em todos os níveis, necessita apoiar-se. Faz-se necessário estudar a problemática da alfabetização sob a inspiração dessas quatro vertentes. De forma contrária, a tarefa esvazia-se de conteúdos significativos, forja discussões inócuas, incrementa idéias distorcidas, gera uma visão superficial de assuntos tão relevantes.

A alfabetização passa pelo aprofundamento de vários factores que inserem o homem no “mundo das letras”.

O alfabetizado não é só aquele que reconhece sinais gráficos, aprende fonemas, mecaniza procedimentos de leitura e de escrita, e os alfabetizadores necessitam preparar-se e estar atentos à responsabilidade que lhes cabe. Alfabetizar é rasgar horizontes, abrir atalhos, apontar saídas, descobrir soluções, criar situações concretas e propor desafios. É fazer o educando trilhar o caminho do conhecimento formal, e levá-lo a apreender “o saber consciente”. Não se trata de uma mera linguagem metafórica, em cujo cerne repousam comparações de efeito literário: essas palavras guardam a justeza do exercício de uma verdade irrefutável.

O vislumbre de novas possibilidades provém da consciência; é essa consciência que deveria perpassar todas as coisas, que precisaria estar viva e clara na proposta de trabalho do professor alfabetizador. O fracasso escolar levanta questionamentos importantes e, então, aparecem inúmeros factores que procuram explicar tal fato. A abordagem desse problema é larga e pede diferentes instrumentos de interpretação. Dessa forma, a falência da educação revela-se em muitas frentes. O despreparo dos professores, a repetência e a evasão escolar apontam para uma realidade insustentável: desqualifica-se o ensino e amesquinha-se o homem.

É preciso ver o processo educacional como resultante da conjugação de acções recíprocas. Assim, o educando deixará de ser o dono das culpas absolutas, e o aprendiz um incapaz, detentor de todas as deficiências. É hora de investir num novo rumo, numa outra postura ante a educação. O período da alfabetização é responsável pelo insucesso de educandos e educadores. Essa barreira existe e tem de ser transposta.

O estudo de uma nova conduta filosófica, de uma nova diretriz educacional nesse campo, poderá servir de suporte para a implantação de uma outra linha pedagógica que favoreça o alfabetizando, fazendo-o sujeito e não objecto de sua aprendizagem, de forma a integrar-se em sua comunidade cultural, descobrindo o mundo que o cerca, decodificando os muitos contextos existentes, enfim, tornando-se um ser possuidor de senso crítico. É necessário promover o debate e accionar os mecanismos mobilizadores de uma acção participativa, criando instrumentos e fomentando recursos que ergam uma escola capaz de trabalhar o educando como um todo, pesquisando suas potencialidades e respeitando suas diferenças. A educação especial não pode afastar-se dessa nova visão, visto que as pessoas deficientes visuais precisam compartilhar, como quaisquer outras, da construção do seu saber.

Para tanto, devem ser criados ambientes educacionais ricos de estímulos e experiências, onde se promovam situações renovadas de aprendizagem. Constantes mudanças devem ser provocadas, propiciando atitudes criativas, estimulando atividades que favoreçam o desenvolvimento global de educandos cegos.

A educação deve estribar-se no mais sério propósito existente: a ascensão do ser humano. Compreendendo este propósito, o educador atenderá o seu papel e buscará exercê-lo com competência e visão crítica. A ação educativa impõe constantes transformações e procura novas tentativas. Através dos tempos, desde épocas mais remotas, o homem luta para aprender. Aprender no sentido mais amplo da palavra, o que passa pelo instinto de preservação (a sobrevivência), e alcança seu ápice no refinamento mais elevado do espírito.

Quando se fala em educação especial pensa-se logo em alunos “especiais”. Como se poderia entender o vocábulo “especiais”?

  • Pessoas difíceis?
  • Crianças problemáticas?
  • Aprendizagem diferente?

Aquele que pretende ingressar nesse campo de ensino precisará saber que uma criança cega é um ser que se desenvolve, que constrói, que aprende. Entretanto, ela apresenta necessidades específicas que reclamam um atendimento especializado e basicamente dirigido a essas especialidades.

Uma criança não é mais ou menos capaz por ser cega. A cegueira não confere a ninguém nem qualidades menores nem potencialidades compensatórias. Seu crescimento efetivo dependerá exclusivamente das oportunidades que lhe forem dadas, da forma pela qual a sociedade a vê, da maneira como ela própria se aceita.

É de fundamental importância que o professor não veja nesta criança um aprendiz de segunda categoria, um educando treinável, cujo adestramento de certas áreas promoverá um desempenho educacional satisfatório.

Penetrando-se, mais profundamente, na teoria da construção do conhecimento de Jean Piaget, compreende-se que só a educação construtivista fornecerá dados concretos para que se cumpra, em essência, o desenvolvimento intelectual de uma criança cega.

Interagindo com os objetos, com o meio físico e com as pessoas, essa criança terá o seu crescimento mais facilitado e mais firme.

Tomando-se as idéias construtivistas aplicadas à educação, diríamos, num primeiro momento, ser de todo impossível alfabetizar uma criança cega dentro de tais moldes. De maneira inversa a da criança vidente que incorpora, assistematicamente, hábitos de escrita e de leitura desde muito cedo, a criança cega demora muito tempo a entrar no universo do “ler e escrever’’. O Sistema Braille não faz parte do dia-a-dia, como um objeto socialmente estabelecido. Somente os cegos se utilizam dele. As descobertas das propriedades e funções da escrita tornam-se impraticáveis para ela.

As crianças cegas só tomam contato com a escrita e com a leitura no período escolar. Esse impedimento, sabe-se, pode trazer prejuízos e atrasos no processo da alfabetização. É a hora da educação fazer-se mais forte e cumprir com seus reais objetivos: abrindo frentes de conhecimento, suprindo lacunas, minimizando carências.

Os professores que seguem a linha construtivista consideram até certo ponto desnecessários exercícios prévios, que preparam o educando para ingressar no processo de alfabetização propriamente dito.

Eles não acreditam na chamada “prontidão para a alfabetização”.

O que deve ficar claro, entretanto, é que no caso da educação de crianças cegas esse procedimento não pode ser adoptado. Como já foi mencionado, o desenvolvimento global de uma criança cega requer técnicas e recursos especializados. Dentro do processo educacional de crianças cegas, é importante que sua evolução seja acompanhada de forma precisa e venha a propiciar realmente uma evolução, fazendo-a adquirir um grau mais alto de eficiência. Por isso, nessa fase, dá-se grande ênfase ao desenvolvimento de um conjunto de habilidades que são pré-requisitos para a leitura e a escrita do Sistema Braille.

Capacitar uma criança não é condicioná-la, transformando-a num ser automatizado, com respostas previsíveis e resultados esperados. A capacitação ressaltada nasce da independência do perfeito domínio de si mesmo. Quando se fala na importância de desenvolver capacidades básicas, fala-se da finalidade máxima da educação especial: dar ao indivíduo portador de qualquer deficiência as condições essenciais para torná-lo um ser harmónico, uma pessoa plena, um homem com consciência de si mesmo.

Esses pré-requisitos são trabalhados a partir das dificuldades geradas pela própria cegueira. Assim, ao acionarem-se mecanismos capazes de mobilizar estruturas internas, pode-se: ampliar movimentos corporais, fortalecer músculos, refinar percepções, estimular memória e amadurecer condutas.

Para o alfabetizador conquistar êxito em sua tarefa é fundamental que seu trabalho se revista de inúmeros aspectos: conteúdos bem definidos, métodos e técnicas adequados, material didático apropriado, enriquecimento de informações reais, liberdade de criação e de expressão.

Não há uma receita pronta e infalível para educar esta ou aquela criança. O alfabetizador tem de conhecer o educando que tem diante de si e sobre o qual recai sua atenção pedagógica. No preparo e na coerência da prática docente pode-se encontrar solução para grandes problemas.

 

Bibliografia

  • BECHARA, Evanildo. Moderna Gramática Portuguesa: curso de 1o e 2o graus. 22a Ed. São Paulo: Editora Nacional, 1977.
  • CÂMARA Jr., J. Mattoso. Dicionário de Filologia e Gramática. 4a Ed. Rio de Janeiro: Revista da J. Ozon Editor, 1970.
  • CARDOSO, Fernando Henrique e SANNI, Octavio. Homem e Sociedade: leituras básicas de Sociologia Geral. Nova Edição. São Paulo:Editora Nacional, 1975.
  • CASTRO, A.M.S.G. e CECCON, J.P. Creches alternativas e institucionais - uma proposta curricular. In: MEC/SEPS. Textos sobre educação pré-escolar. Brasília: 1981.
  • CHARLES, C.M. Piaget ao Alcance dos Professores. Tradução de Ingeborg Strake. Rio de Janeiro: Ao Livro Técnico, 1975.
  • CLEMENTE, R.; MARTELES, P.; VICENTE, A.; MARIM, A. Lillo; ROSEL, J., Villagran - Ceguera - Orientaciones prácticas para la educación y rehabilitación del ciego. Colección Rehabilitación, Aspectos Psicologicos(cap. 2), Edita: Dpto. de Estudios e Publicaciones del Servicio de Recuperación y Rehabilitación de Minusválidos Físicos y Psíquicos (Serem). Maria de Guzman,52. Madrid 3, 1979.
  • COSTA LINS, M.J.S. A estruturação da inteligência do pré-escolar segundo Piaget. Rio de Janeiro: Editora Anima, 1984.
  • FERNANDEZ, Alicia. A Inteligência Aprisionada. Porto Alegre: Artes Médicas. 1990.
  • FERREIRO, Emilia. Reflexões Sobre a Alfabetização. São Paulo: Cortez Autores Associado, 1991.
  • FREIRE, Paulo. Educação e Mudança. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1983.
  • FURTH, H.C. Thinking without Language: psychological implications of deafness. New York: Free Press,1966.
  • GINSBURG, H. & OPPER, S. Piaget y la teoria del desarollo intelectual. Madri: Ediciones del Castillo, 1977.
  • GIROSSI, Esther Pillar. Didática da Alfabetização Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1990.
  • KAMII, C. & DE URIES, R.. A Teoria de Piaget e a educação pré-escolar. Lisboa: SOCI/CULTUR, Coleção Biblioteca de Pedagogia, 1973.
  • LEMLE, Miriam. Guia Teórico do Alfabetizador. São Paulo: Ed. Ática, 1990.
  • LERBET, G. Piaget. Paris: Edition Universitaires - Collection Psychothèque, 1970.
  • LIMA, A.F.O.. Pré-escola e alfabetização. Petrópolis (RJ): Editora Vozes, 1986.
  • PAIN, Sara. A Função da Ignorância. Porto Alegre: Artes Médicas, 1937.
  • PIAGET Jean. A Linguagem e o Pensamento da criança. Rio de Janeiro: 1959.
  • PIAGET, Jean. O Nascimento da inteligência na criança- Rio de Janeiro: Zahar, 1966.
  • PIAGET, Jean. 0 Raciocínio na Criança. Rio de Janeiro: Record, 1967.
  • PIAGET, Jean. A Formação do Símbolo na Criança - imitação, jogo e sonho, imagem e representação. Rio de Janeiro: Zahar, 1971.
  • PIAGET, Jean. Psicologia e Pedagogia. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1972.
  • PIAGET, Jean. Seis Estudos de Psicologia. Rio de Janeiro: Forense, 1973.
  • PIAGET, Jean. O Nascimento da Inteligência na Criança. Rio de Janeiro, Zahar: Editores, 1974.
  • PIAGET, Jean. Para onde vai a Educação? Rio de Janeiro: Livraria José Olympio Editora, 1977.
  • PIAGET, Jean. A Epistemologia Genética: Sabedoria e Ilusões da Filosofia; Problemas de Psicologia Genética. São Paulo: Abril Cultural, 1978.
  • PIAGET, Jean & GRECO, Pierre. Aprendizagem e Conhecimento. Rio de Janeiro: Freitas Bastos, 1974.
  • PIAGET, Jean. & INHELDER, Larbel. A Psicologia da Criança. São Paulo: Difel, 1982.
  • SAUSSURE, Ferdinand de. Curso de Linguística Geral. São Paulo: Cultrix, 1972.


 

ϟ

Maria da Glória de Souza Almeida é professora do Instituto Benjamin Constant.

Fonte: revista Benjamin Constant, Março 1997

 

Δ

23.Set.2012
publicado por MJA