Ξ  

 

 Sobre a Deficiência Visual


As Lamentações dos Cegos

Elias Canetti

Les Aveugles (à Tanger) - Lucien Levy-Dhurmer, 1901
Les Aveugles à Tanger - Lucien Levy-Dhurmer, 1901


Tento contar coisas, mas, mal me calo, reparo que ainda nada disse. Algo de brilho e peso maravilhosos, forma-se-me cá dentro e zomba das palavras. Será a linguagem daquela gente, e que eu ainda não entendo, que se introduz, a pouco e pouco, em mim? Casos, imagens, sons, tudo a fundir-se num todo que as palavras não captariam nem alterariam. "Todo" que vai para além das palavras, e que é mais profundo e mais ambíguo do que elas.

Imagino um homem que, desaprendidas todas as línguas da terra, chegue ao ponto de não mais entender o que quer que seja, onde quer que seja.

O que é que vive numa linguagem? O que é que ela encobre? O que é que ela capta? Durante aquelas semanas passadas em Marrocos, nunca tentei aprender árabe nem tão pouco os dialectos berberes. Não queria perder nada da força contida nessas estranhas lamentações. Queria ser apanhado em cheio por esses sons e não abrandá-los através de vagos conhecimentos, tão insuficientes como artificiais.

Nada lera sobre essa terra. Os seus costumes eram-me tão desconhecidos como as suas gentes. O pouco que se possa ter aprendido durante toda uma vida acerca de qualquer país e acerca do seu povo, some-se, por inteiro, logo nas primeiras horas.

Por exemplo, a palavra "Allah", na qual nunca consegui penetrar, aproximar-me dela, sequer. E, no entanto, nessa palavra assentava boa parte da minha experiência, sendo como era a mais frequente, a mais eficaz, a mais aguda, a mais permanente das que os cegos iam pronunciando.

Para uma viagem levamos connosco quase tudo, mas a revolta, a indignação, essas ficam deliberadamente esquecidas em casa. Vemos, ouvimos, maravilhamo-nos perante o medonho, só porque o medonho é algo de novo. O bom e perfeito viajante não tem coração !

No ano passado, a caminho de Viena e após uma longa ausência de quinze anos, estive numa aldeia chamada Blindenmarkt - "Mercado dos Cegos" - aldeia de cuja existência não me apercebera até então. Tal nome atingiu-me como uma chicotada, e desde então nunca mais o esqueci.

E foi este ano, durante a minha estada em Marraquexe, que, de novo, dei por mim entre cegos. Eram centenas, inumeráveis centenas, na sua maior parte mendigos. Reunidos em grupos de oito, por vezes de dez, e postos em filas junto ao mercado, as suas roucas e eternamente repetidas lamentações ouviam-se cá de longe.

Punha-me então diante deles, imóvel como eles, sem nunca ter a certeza se sentiam ou não a minha presença. Cada qual tinha à sua frente uma espécie de pequena taça de madeira destinada às esmolas. Ao cair em qualquer delas uma moeda, a moeda passava então de mão em mão, e cada cego apertava-a, sentia-a, experimentava-a, até que aquele que estivesse incumbido de tal tarefa, a arrecadava na algibeira. Em conjunto sentiam, em conjunto murmuravam, em conjunto se lamentavam.

Todos os cegos como que ofereciam o nome de Deus. Era, pois, através das esmolas que ganhávamos direito a Ele. Com Deus começam e com Deus terminam, repetindo o Seu Nome dez mil vezes por dia. Todos os seus lamentos contêm sempre esse Nome. A invocação à qual se agarram um dia, mantém-se inalteravelmente. Espécie de arabescos acústicos tecidos à volta de Deus, infinitamente mais convincentes do que qualquer coisa obtida através da visão.

Uns confiam em absoluto no Seu Nome e nada mais dizem para além d'Ele. Férrea obstinação, que faz com que Deus me surja como uma muralha, sempre atacada através da mesma brecha. Penso, sinceramente penso, que os pedintes se agarram à vida mais pelas suas invocações, do que pelas esmolas que pedem. A repetição dessa lamentosa evocação caracteriza o pedinte como mais nada. Metemo-nos na sua pele, conhecemo-lo, finalmente, e a partir de então nunca mais ele deixará de ali estar. É como que uma propriedade, rigorosamente delimitada. O seu lamento é a sua fronteira, que protege, que defende! Ali, o cego é exactamente aquilo que clama, que invoca, que pede. Mas o seu lamento é também multiplicação. A repetição rápida e regular dissolve-o no grupo. Singular lamento, da insuspeitada energia. Cada cego pede para muitos e colhe para todos.

"Pensa em todos os pobres!
Pensa em todos os pobres!
Deus te abençoará por todas as esmolas que deres!"

Quer isto dizer, que os pobres entrarão no Paraíso pelo menos quinhentos anos antes dos ricos. Aos pobres, e pelas esmolas, compra-se um quinhão do Paraíso. Quando morre alguém "o cortejo segue a pé com ou sem carpideiras, mas sempre rapidamente até à cova, para que o morto depressa alcance a felicidade. O credo é recitado pelos cegos".

Desde que deixei Marrocos, que, por várias vezes, de olhos fechados e pernas cruzadas, me sentei num canto do meu quarto, tentando dizer durante meia hora, em compasso certo e com forte convicção "Alá, Alá, Alá!" Procurei imaginar que continuava a pronunciar essa palavra durante todo o dia e boa parte da noite. Que, após um breve sono, voltaria a pronunciá-la de novo, prosseguindo dia após dia, durante semanas, meses e anos. Que envelheceria cada vez mais e que cada vez mais viveria, teimosamente preso à vida. Que me enfureceria quando qualquer coisa me perturbasse. Que nada mais me interessaria a não ser permanecer assim.

Compreendi, finalmente, o que é que aqueles pedintes cegos realmente são. São os santos da repetição, da insistência, da teimosia sagrada, de cujas vidas quase tudo foi suprimido.

Existe o lugar onde eles se acocoram ou se mantêm de pé. Existe o seu inalterável lamento. Existe um limitado número de moedas pelas quais anseiam, quatro ou cinco unidades diferentes. Existem também os que dão e que muito diferem entre si. Mas os cegos não conseguem ver tais diferenças, e é através das suas palavras de gratidão que tentam que essas diferenças se esbatam.

FIM

 

ELIAS CANETTI

nasceu na Bulgária em 1905. A família emigrou para Manchester em 1911. Elias aprendeu alemão em Lausana (1913), estudou em Viena até 1916 e viveu em Zurique durante a I Grande Guerra. De novo em Viena em 1924, doutorou-se em Química em 1929, Em 1938 abandonou a Áustria depois da ocupação nazi e, após uma curta estada em Paris, fixou residência em Londres. A sua escrita abarca o romance (Auto de Fé, 1935), o ensaio (Multidões e Poder, 1960) e aforismos. Obras principais: os romances A Boda (1932), A Comédia da Vaidade (1950), A Consciência das Palavras (1975), A Língua Absolvida (1977), O Jogo de Olhares (1985), e as colectâneas de aforismos e apontamentos A Província do Homem (1973) e O Coração Oculto do Relojoeiro (1987). Elias Canetti recebeu o Prémio Nobel da Literatura em 1981.


ϟ
 


»As Lamentações dos Cegos«
3.º cap. da obra:
As vozes de Marraquexe
autor: Elias Canetti
Título original: Die Stimmen von Marrakesch (1968)
Publicações Dom Quixote, Lda., Lisboa
Tradução: Isabel Ramalho
3.ª edição: Julho de 2000


Δ

10.Maio.2014
Publicado por MJA