Sobre a Deficiência Visual  
   ║início ║notícias ║a saúde
║dos olhos
║textos
║didácticos
║a cegueira
║na literatura
║a cegueira
║vista pelo
║cinema

║arte e
║cegueira

║legislação
║e ajudas

║contactos

 



ULISSES E O GIGANTE DE UM SÓ OLHO


Philip Ardagh

 

Polifemo
Polifemo, filho de Posidon e da ninfa Teosa — Polifemo só
tem um olho, no meio da testa. No lugar onde deveriam
estar os 2 olhos, há buracos para enganar vitimas.

 

Herói de muitas aventuras, Ulisses teve de servir-se de rapidez de espírito, de força e de manha para derrotar o ciclope Polifemo. Ulisses estava afastado da pátria há dez longos anos quando visitou a ilha dos ciclopes. Eram gigantes aterradores, com um único olho no meio da testa. Criavam ovelhas, que comiam inteiras.

Ulisses e alguns dos camaradas entraram numa caverna onde descansaram e se abrigaram. Era a casa de um ciclope chamado Polifemo, que era um dos filhos de Posidon, deus do mar. Ao fim do dia, o gigante de um só olho regressou com o rebanho. Depois de as ovelhas estarem em segurança dentro, a enorme e hedionda criatura tapou a entrada da caverna com uma pedra imensa. Era de tal maneira grande e pesada que nenhum ser humano nem nenhuma equipa de humanos ― podia ter pretensões a movê-la. Ulisses e os seus homens estavam encurralados.

Avistando os aterrados humanos, o ciclope Polifemo agarrou em dois dos companheiros de Ulisses e engoliu-os inteiros. Na manhã seguinte, comeu mais dois, e depois afastou a pedra para as ovelhas saírem. Não conseguia acreditar na sua sorte: tinha uma despensa cheia de humanos!

― Como é que te chamas, homenzinho? ― perguntou o gigante, ao sair da caverna e ao começar a rolar mais uma vez a pedra para a entrada da caverna. ― És um desses heróis de que tanto ouço falar?

― Eu, um herói? ― gargalhou Ulisses. ― Sou um ninguém. ― E então começou a formar-se-lhe uma ideia na mente. ― De facto, o meu nome é Ninguém.

― Os meus cumprimentos, Ninguém. Estou ansioso por te comer quando voltar ― sorriu o ciclope, quando o gigantesco penhasco tapou o sol.

Nessa noite, Polifemo regressou com as ovelhas e, enquanto Ulisses observava impotente, agarrou em mais dois homens e comeu-os. A seguir o ciclope bebeu um pouco de vinho, e caiu num sono profundo.
 

Ulysses And His Companions Blinding The Sleeping Cyclops Polyphemus - Jan van der Straet
Ulysses And His Companions Blinding the Sleeping Cyclops Polyphemus
Jan van der Straet
 

Ulisses não perdeu tempo. Agarrou num enorme poste de madeira, que tinha escondido nas sombras, aqueceu a ponta no fogo e depois trepou para o peito do gigante adormecido. Com toda a sua força, enterrou o poste no único olho de Polifemo. O gigante berrou, suficientemente alto para atrair os outros ciclopes à entrada da caverna.

― Estás bem, Polifemo? ― gritou um deles, através da rocha que tapava a entrada. Não a queria afastar, não fosse dar-se o caso de Polifemo estar apenas a ter um pesadelo... e não lhe achar graça nenhuma se as ovelhas lhe fugissem todas por dá cá aquela palha!

― Estás a ser atacado? ― perguntou outro ciclope, sabedor de que se tinham avistado estranhos na ilha.

Lembrando-se do nome que Ulisses lhe dera, Polifemo gritou: ― Ninguém está a magoar-me!

Interpretando erradamente os berros de Polifemo, e contentes por ele não estar em perigo os outros ciclopes regressaram para os seus lugares da ilha.

― Ninguém está a magoar-me! ― berrou o ciclope, à espera de socorro.
 

The-Blinding-of-Polyphemus-Ânfora grega do período arcaico, séc. VII a.C.
The Blinding of Polyphemus - ânfora grega, séc.VII a.C.


Na manhã seguinte, cego mas não vencido, Polifemo tacteou o caminho ao longo das paredes de pedra da sua gruta. Afastou a enorme rocha apenas o suficiente para passar uma ovelha.

Vou deixar as minhas ovelhas pastar uma a uma, Ninguém ― declarou. Mas tu e os teus homens ficam cá até eu me decidir a comer-vos. Não preciso de ver para comer; basta-me um apetite sadio e uns dentes aguçados.

À medida que cada ovelha passava através da fenda na entrada da caverna, Polifemo apalpava-lhe a lã para verificar se se tratava realmente de uma ovelha e não de um humano a tentar escapar-se-lhe.

Tal não foi a sua surpresa ao ouvir a voz de Ulisses do exterior da caverna.

― Devias ter pensado em apalpar debaixo das ovelhas ― bramiu ele. Prendemo-nos às barrigas delas.

Só para ter a certeza de que o ciclope sabia quem é que o tinha excedido em astúcia, acrescentou:

E podes crer que não sou nenhum ninguém. Chamo-me Ulisses. Nunca te esqueças!

FIM
 

Җ

Cíclope
Ciclope

 

MITO ou LENDA?
Muito antes de as pessoas saberem ler ou escrever, as histórias eram transmitidas oralmente. De cada vez que eram contadas, mudavam um pouco, acrescentando-se uma nova personagem aqui e uma mudança na trama acolá. Os mitos e as lendas nasceram dessas histórias em constante mutação.

O QUE é UM MITO?
Um mito é uma história tradicional que não se baseia em algo que realmente aconteceu e fala, normalmente, de seres sobrenaturais. Os antigos Gregos chamavam a essas pessoas heróis. Os mitos são inventados, mas ajudam a explicar os costumes locais ou os fenómenos naturais como a trovoada.

O QUE é UMA LENDA?
A lenda assemelha-se muito ao mito. A diferença está no facto de a lenda poder basear-se num acontecimento que realmente ocorreu ou numa pessoa que realmente existiu. O que não significa que a história não tenha mudado ao longo dos anos. Os antigos Gregos não separavam a história verdadeira das histórias inventadas a respeito do seu passado. As duas tinham-se interligado de tal maneira que é muito dificil distinguir entre a realidade e a ficção.

QUEM ERAM os ANTIGOS GREGOS?
A Grécia situa-se entre aquilo que é agora a Itália e a Asia Menor. É constituída por uma grande península ― uma área de terra que entra pelo mar dentro ― e uma série de ilhas dispersas. Cerca de 2000 a. C. (o que significa há quase 4000 anos, várias tribos nómadas chegaram à península grega e instalaram-se junto do povo que aí vivia. Com o passar do tempo, as cidades cresceram, as pessoas adoravam os mesmos deuses, e os Gregos transformaram-se numa potência na Europa. O império e a cultura dos antigos Gregos dominaram a Europa até os Romanos se apoderarem da Grécia em 146 a. C.

GREGOS E ROMANOS
Durante o domínio romano, a influência grega continuou. Os Romanos até adoptaram os mitos e as lendas gregas, mudaram os nomes dos deuses e dos heróis, e serviram-se deles como seus. Por exemplo, o herói grego Héracles transformou-se, pura e simplesmente, no heról romano Hércules

COMO SABEMOS?
Os mitos e as lendas gregas começaram a crescer no século VIII a. C., quando os poemas de um poeta grego chamado Homero se popularizaram. As duas obras escritas mais antigas e conservadas da literatura grega são dois poemas épicos intitulados Ilíada e Odisseia, que se dizem ter sido escritos por ele. Falam do cerco da cidade de Tróia e das aventuras do herói Ulisses.

 

Җ

Ulisses e o Gigante de um só Olho
in "Mitos e Lendas Gregas" contados por Philip Ardagh
Título original: Ancient Greek Myths & Legends
1.ª edição publicada por Belitha Press Limited, Londres 1997
Editorial Estampa
1.ª edição
Lisboa, 1999
 


 

ir para o TOPO da página

Publicado por MJA
[8.Dez.2013]