Ξ  

 

SOBRE A DEFICIÊNCIA VISUAL


The World I Built from Darkness

Zoltan Torey

NSAnjos - foto de Mário Cruz
fotografia de Mário Cruz

"The last thing I saw with complete clarity was a glint of light in the flood of acid that engulfed my face. I recall reeling back, gasping for air with my nose, mouth, and eyes full of the stuff, coughing and spluttering. It tore off my conjunctivas, the thin film covering the corneas, in an instant and then began rapidly to eat its way into both eyes. I no longer had even a split second of clear sight; there was only a jagged, broken, dirty-glass effect, as though at night a passing truck had splashed muddy water across my windscreen and the wipers couldn't clear the mess. Unaware that I had also swallowed a mouthful of the solution and that my vocal cords were being eaten, and with the evil cascade still coming at me, I spun around, beginning to notice a fast-thickening fog passing over my eyes. At this point my consciousness exploded in a sense of catastrophe. There was no thought in that instant, just fragments, faces of people dear to me, and a sickening feeling of this being the end. Then the fog closed in. How simple it sounds, and how terrible it was, sucked by a relentless force ever deeper into darkness. It was the destruction of the visual world and my life in it".  Zoltan Torey


An Interview with Zoltan Torey by Ross Robertson

The accident that changed Zoltan Torey's life forever took place in a factory in Sydney, Australia, on a wind-whipped winter night in 1951. While he was hauling a forty-four-gallon drum of battery acid along a track overhead, the plug suddenly failed and came loose, showering his face with corrosive fire. Vision splintering, unable to speak above a whisper, he slowly felt his way along the floor. The seconds passed by in surreal procession. Tick. Down the stairs. No time for panic or pain. Tick. The foreman found him and helped him to the locker room, where they tried to wash his eyes out under the shower, clothes and all. It was useless. Tick. Complicated. They were driving in a car. Tick. At the hospital. Everything was falling inward, shouts and silences, snippets of questions he couldn't answer. "What did you say the acid was?" Tick. Do something, he thought, collapsing toward unconsciousness. He was only twenty-one years old.

Laying cramped and feverish in his hospital bed, slowly deteriorating toward death, Zoltan Torey pondered his predicament. This Hungarian émigré, who had escaped the darkening clouds of the Cold War little more than a year earlier, would never see again -- at least not in the old way. His doctors explained that instead of shutting down with the loss of sight, the visual cortex often goes haywire, conjuring up vivid hallucinations that can disorient and overwhelm the newly blind. For this reason, they warned, it was imperative that he leave all visual imagery behind and rebuild his mental representation of reality using hearing and touch. But Torey balked at this advice. With no one to guide him, no plans or maps to follow, he actually went in the exact opposite direction. He would train himself, he decided, to simply picture the world around him through his now hyperactive visual imagination. It was an act of shocking originality and creative courage, and with it, his extraordinary journey beyond the limits of blindness began.

"From the moment his bandages come off, "writes neurologist Dr. Oliver Sacks in his foreword to Torey's autobiography 'Out of Darkness', "Torey sets himself, with extraordinary tenacity, to taming his now heightened imagery, shaping it into a supple, reliable tool for living and thinking. In doing so he not only compensates himself for the loss of his sight, but develops what is almost a new sense, a new faculty of mind." That new sense -- in essence, the ability to see without seeing -- would enable him to live a life unlike any blind person had ever lived before, going sightseeing, enjoying tennis on television, composing elaborate prose on a typewriter, even climbing up on his rooftop by himself, to his neighbors' amazement and alarm, and replacing all the gutters. It carried him through honors degrees in psychology and philosophy, brought him success as a professional psychologist, and ultimately made it possible for him to tackle one of the most intractable problems known to science and philosophy alike -- the riddle of the nature and origins of consciousness.

In fact, Torey would eventually embark on a painstaking twenty-five-year quest to decipher the workings of the conscious mind, an all-consuming mission that finally bore fruit with his publication of The Crucible of Consciousness (1999). Boldly attempting to demystify the physical process by which the human brain gives rise to self-reflective thought, his magnum opus was praised by Nobel laureates and favorably compared to the breakthroughs of both Darwin and Einstein. Yet interestingly, this major work of materialist science was inspired by a seemingly nonmaterial event -- a vision of literally cosmic proportions that came to him late one night during his first few weeks in that Sydney hospital bed. Laying all his doubts and questions on the table, he began to reflect on his situation in light of a context far beyond his own small life, catalyzing a profound state of contemplation in which the very structures of the evolving universe began to open before him. It was a revelation that made visible what Torey calls the "unmistakable directionality" behind the evolutionary process, and it galvanized his passion to further that process through better understanding human consciousness, which he saw as its leading edge. As he describes in his autobiography, it was the power of this experience that pulled him back from the brink of death.

Torey is a hard-nosed scientist, and he refuses to interpret this life-changing event in religious terms. Nevertheless, it has many of the characteristics of a spiritual awakening, not least because it blessed him with an unshakable energy and confidence that seem to have stayed with him ever since. Whatever we call it, it was the source of his drive and determination to fathom, through the unique window of his inner vision, the active role each of us has to play in the creative unfolding of the cosmos. "Fate is one thing," writes this unusual blind man who has seen so deeply into the mysteries of life and evolution. "What we make of it is another." in  HuffPost

 

ϟ

Zoltan Torey

 

Sobre Zoltan Torey

Oliver Sacks:

Essa minha impressão chegou ao auge alguns anos depois, quando recebi carta de um psicólogo australiano chamado Zoltan Torey. Ele me escreveu não sobre a cegueira, mas a respeito de um livro seu cujo tema era mente-cérebro e a natureza da consciência. Em sua carta ele também mencionou que ficara cego em um acidente aos 21 anos. Embora fosse aconselhado a "mudar do modo de adaptação visual para o auditivo", ele seguira na direção oposta: resolvera desenvolver no mais alto grau possível o seu "olhar interior", sua capacidade de trabalhar com imagens mentais.

E fora extremamente bem-sucedido, ele disse, pois desenvolvera um notável poder de gerar, reter e manipular imagens na mente, tanto assim que conseguira construir um mundo visual virtual que lhe parecia tão real e intenso quanto o mundo perceptual que ele havia perdido — aliás, às vezes até mais real e mais intenso. Essa imagética, além disso, permitia-lhe fazer coisas que poderiam parecer impossíveis a um cego.

"Troquei sozinho todas as calhas do telhado de várias cumeeiras da minha casa", ele escreveu, "e para isso depende unicamente do poder de manipulação precisa e bem focada do meu espaço mental, agora totalmente maleável e responsivo". Torey depois descreveu mais detalhadamente esse episódio, mencionando que seus vizinhos ficaram muito preocupados quando viram um cego sozinho no telhado — e à noite (muito embora, obviamente, a escuridão não fizesse diferença para ele).

E ele sentia que seu recém-intensificado poder de visualizar imagens punha à sua disposição modos de raciocinar que antes não estavam ao seu alcance, permitindo que ele se visualizasse no interior de máquinas e outros sistemas para conceber soluções, modelos e designs.

Respondi à carta de Torey sugerindo que pensasse em escrever outro livro, mais pessoal, analisando como sua vida fora afetada pela cegueira e como ele reagira a ela do modo mais improvável e aparentemente paradoxal. Alguns anos depois, ele me enviou os originais de "Out of darkness". Nesse novo livro, Torey descreve as memórias visuais de sua infância e juventude na Hungria antes da Segunda Guerra Mundial: os ônibus azul-celeste de Budapeste, os bondes amarelo-ovo, o acendimento dos lampiões a gás, o funicular do lado de Buda. Descreveu sua juventude despreocupada e privilegiada, caminhando com seu pai pelas matas montanhosas com vista para o Danúbio, praticando esportes e pregando peças na escola, crescendo em um meio intelectualizado de escritores, atores e profissionais liberais de todas as áreas. O pai de Torey era diretor de um estúdio de cinema e costumava dar roteiros para o filho ler. Torey escreveu: "Isso me deu a oportunidade de visualizar histórias, enredos e personagens, exercitar minha imaginação — uma habilidade que anos mais tarde se tornaria um salva-vidas e uma fonte de força".

Tudo isso terminou brutalmente com a ocupação nazista, o cerco de Buda e por fim a ocupação soviética. Torey, então adolescente, viu-se arrebatado por grandes questões — o mistério do universo, da vida e, sobretudo, o mistério da consciência, da mente. Aos dezanove anos, sentindo que precisava mergulhar na biologia, engenharia, neurociência e psicologia, mas sabendo que não havia chances para uma vida intelectual na Hungria soviética, Torey fugiu do país. Foi parar na Austrália, onde, sem dinheiro e sem contatos, trabalhou em diversos serviços braçais. Em Junho de 1951, deixou cair um plugue em um tambor de ácido na fábrica química onde trabalhava, e esse acidente dividiu sua vida em duas fases:

A última coisa que vi com total clareza foi uma centelha de luz no jorro de ácido que engolfaria meu rosto e mudaria minha vida. Foi um lampejo de um nanossegundo, emoldurado pelo círculo negro da borda do tambor, a menos de trinta centímetros. Essa é a cena final, o tênue fio que me liga ao meu passado visual.

Quando ficou claro que suas córneas haviam sido irremediavelmente lesadas e que ele teria de passar o resto da vida como um cego, aconselharam-no a reconstruir sua representação do mundo com base na audição e no tato e a "desistir de uma vez de ver e visualizar". Mas isso era algo que Torey não podia e não queria fazer. Ele salientara, na primeira carta que me escreveu, a importância de uma escolha crítica naquela conjuntura: "De imediato, resolvi descobrir quanto um cérebro destituído de um dos sentidos poderia fazer para reconstruir uma vida". Assim expresso, parece algo abstrato, como um experimento. Mas em seu livro percebemos os sentimentos avassaladores que estavam por trás de sua resolução: o horror à escuridão — "a escuridão vazia", como Torey costuma dizer; "a névoa cinzenta que estava me engolfando" — e o desejo ardente de aferrar-se à luz e à visão, de manter, nem que fosse apenas na memória e na imaginação, um mundo visual vívido e vivo. O próprio título de seu livro diz tudo isso, e a nota de desafio soa desde o começo.

Hull, que não usou suas imagens mentais de modo deliberado, perdeu-as dentro de dois ou três anos e se tornou incapaz de lembrar como era a aparência de um 3; Torey, no entanto, logo se tornou capaz de multiplicar números de quatro dígitos entre si, como se escrevesse numa lousa: visualizava toda a operação em sua mente e "pintava" de cores diferentes as suboperações.

Torey manteve uma atitude cautelosa e "científica" em relação às suas imagens mentais, tratando de verificar por todos os meios disponíveis a exatidão das imagens que visualizava. "Aprendi a reter a imagem de um modo provisório", ele escreveu, "conferindo-lhe credibilidade e importância apenas quando alguma informação fizesse pender a balança a seu favor". Logo ele adquiriu suficiente confiança na acurácia de suas imagens mentais para confiar-lhes sua vida, como na ocasião em que consertou o telhado sozinho. E essa confiança estendeu-se a outros projetos puramente mentais. Ele se tornou capaz de visualizar, por exemplo, o lado interno de uma caixa de engrenagens diferenciais em ação, como se estivesse lá dentro. "Consegui", ele escreveu, "observar os dentes mordendo, engatando e revolvendo, distribuindo os giros como era necessário. Comecei a brincar com essa visão interior em problemas técnicos e mecânicos, visualizando como subcomponentes relacionam-se no átomo ou na célula viva". Esse poder de recorrer a imagens mentais foi crucial, na opinião de Torey, para que ele chegasse a uma nova concepção do problema da mente-cérebro, visualizando o cérebro como "um perpétuo malabarismo de rotinas interagentes". in  O Olhar da Mente

 

Daniel Serrão:

Zoltan Torey, um psicólogo australiano que ficou cego aos 21 anos, decidiu desenvolver ao máximo o seu “olhar interior” como uma capacidade de trabalhar com imagens mentais.

Oliver Sacks, o famoso neurologista especializado na neurobiologia das perceções sensoriais, analisou, em correspondência com Zoltan Torey, a forma como este cego passou a pensar e a decidir os seus comportamentos com suporte nas imagens virtuais construídas pelo seu cérebro, a partir da linguagem. O conceito de “olhar da mente”, ou da mente como um olho, leva-o a este comentário: “… se de facto existe uma diferença fundamental entre a vivência e a descrição, entre o conhecimento direto e o conhecimento mediado do mundo, porque é, então, a linguagem tão poderosa? A linguagem, a mais humana das invenções, pode possibilitar o que, em princípio, não deveria ser possível. Pode permitir a todos nós, inclusive os cegos congénitos, ver com os olhos de outra pessoa”.

Pois é este Zoltan Torey, que via com os olhos de David Lenton, que publicou uma ambiciosa teoria, integrada, da relação cérebro/mente e da consciência reflexiva.

Não é fácil resumir a argumentação de Torey. No essencial, e a partir dos autores mais representativos da conceção “fisicalista” da mente (Dennett, E. O. Wilson, P. S. Churchland, Edelman, Gazzaniga e outros), Torey situa na capacidade linguística, obtida no decorrer do processo evolutivo cerebral, a génese da autoconsciência. Nas suas palavras (p. 101), “Consciousness (reflective awareness) is a language-linked emergent phenomenon” (A autoconsciência, como consciência reflexiva, é um fenómeno emergente ligado à linguagem).

Em palavras simples, a autoconsciência seria uma forma de linguagem interior com a qual o eu fala consigo próprio; não usa as palavras da linguagem exterior, com a sua gramática flexional e relacional e com uma semântica convencional, apenas se serve de sentimentos, sem nome, e de sentidos intuídos, rigorosamente abstratos.

Esta conceção é claramente influenciada pela capacidade que Zoltan Torey desenvolveu depois de um acidente com um líquido cáustico o ter tornado cego aos 21 anos; esta capacidade foi a de conseguir representar internamente os conteúdos significantes dos textos que lhe são lidos e de os memorizar como imagens nas quais fica depositado o sentido. A sua escrita revela esta extraordinária capacidade, pois está organizada como comentário a transcrições dos seus autores de referência.

Direi, como síntese final, que a autoconsciência, o conhecimento do eu, a si próprio, como um eu próprio, revelou-se a Zoltan Torey como capacidade de ideação a partir da representação verbal do mundo exterior.

Para o comum dos seres humanos, a intuição da autoconsciência acontece quando formula a pergunta radical, como o fez Pessoa:

“De quem é o olhar que espreita por meus olhos?
Quando penso que vejo, quem continua vendo enquanto estou pensando?”

Reduzir o problema do entendimento da autoconsciência à perceção da linguagem é muito redutor e não o resolve de forma inteligível.  in Blog Mente à Sexta-feira 


Obras de Zoltan Torey :

The Crucible of Consciousness (1999)
Out of Darkness (2003)
The Conscious Mind (2014)

   


 

Δ

9.Abr.2021
Maria José Alegre