Ξ  

hits counter

 

SOBRE A DEFICIÊNCIA VISUAL


Jesus Cura Os Cegos

Carmen Seganfredo & Ademilson Franchini

Christ Healing the Blind Man of Jericho-escola italiana-séc. XVII
Cristo cura o Cego de Jericó - escola italiana, séc. XVII


Jesus, segundo os evangelhos, praticou uma infinidade de milagres, e, dentre estes, os chamados “milagres de cura”. Entretanto, a crer-se nos historiadores, Jesus não estava fazendo nada de novo, já que a coisa mais comum naqueles dias de absoluto atraso médico era a existência de taumaturgos espalhados por toda a Palestina. (Até o rei Vespasiano, segundo Suetônio, teria curado um cego, valendo-se da mesma técnica empregada por Cristo de misturar saliva com barro).

“A medicina científica, fundada há cinco séculos pela Grécia, era, à época de Jesus, praticamente desconhecida dos judeus da Palestina”, diz-nos Ernest Renan. “Em um tal estado de conhecimentos, a presença de um homem superior, tratando o doente com carinho e dando-lhe por meio de alguns sinais sensíveis a certeza de seu restabelecimento, é freqüentemente um remédio decisivo.” Renan ainda acrescenta, com uma sã lógica: “Desde que se visse a doença como a punição de um pecado, ou como obra do demônio, e não como resultado de causas físicas, o melhor médico era o homem santo, que tinha o poder de ordem sobrenatural”.

Mas, então, eram falsos os milagres?

Segundo os evangelhos, eram absolutamente verídicos, e é sob essa ótica que devemos ler os relatos acerca deles, já que os profetas incluíam o poder de operar milagres como um dos componentes essenciais da pregação do Messias.

Jesus também curou por etapas, nas chamadas “curas gradativas”. Na primeira delas curou um surdo-mudo, que habitava em território pagão, “a leste do lago”(ou seja, do Jordão). Tão logo as pessoas avistaram Jesus, correram logo a trazer-lhe um surdo-mudo, para que o curandeiro lhe impusesse as mãos.

Jesus, entretanto, por algum motivo, preferiu, dessa vez, isolar-se da multidão para operar o seu milagre. Assim que esteve a sós com o surdomudo, impôs-lhe primeiramente os dedos nos ouvidos. Depois, molhou o dedo com sua saliva e tocou-o na língua do mudo, ao mesmo tempo em que erguia os olhos ao céu.

Jesus deu um breve gemido e pronunciou, em seguida, a palavra aramaica “Effatha!” (que significa “Abre-te”). No mesmo instante, os ouvidos do doente foram desimpedidos e sua língua, destravada.

O evangelista Marcos conclui de maneira irônica, dizendo que, tendo sido advertido por Cristo para que não contasse a ninguém o milagre, saíra o ex-mudo a alardear o fato, e que quanto mais Jesus proibia ao povo de divulgar seus milagres, “mais o anunciavam”.

O segundo caso de cura gradativa deu-se com o cego de Betsaída, e desenrolou-se da seguinte maneira: tendo Cristo chegado a essa localidade, foi-lhe trazido um cego. Mais uma vez Jesus apartou-se da plebe curiosa e foi obrar seu prodígio secretamente.

Depois de ter ungido os olhos do cego com sua saliva, lhe disse:

– Estás enxergando?

O cego piscou várias vezes na direção do povo, que observava a tudo de longe.

Depois de olhar atentamente para tudo, o cego ficou curado “e distinguiu tudo perfeitamente”.

Mas além da cura gradativa, praticou também o Nazareno uma outra e surpreendente modalidade de cura: a cura simultânea. Também aqui os cegos são os protagonistas ao lado de Cristo, embora haja uma pequena controvérsia, já que Mateus, Marcos e Lucas divergem quanto ao número de cegos da história. Assim, enquanto o primeiro afirma que eram dois cegos, os outros juram tratar-se apenas de um.

Preferimos seguir a versão de Mateus.

Cristo e os dois cegos - escola bizantina
Cristo e os dois cegos - escola bizantina


Estava, pois, o Senhor, a caminho de Jerusalém, para cumprir a última e dolorosa parte de sua existência, quando, ao passar por Jericó, escutou os gritos de dois cegos.

– Senhor, filho de Davi, tende piedade de nós!

Entretanto, suas vozes foram logo abafadas pelos gritos da multidão que acompanhava Jesus, que ordenava aos dois cegos que se calassem.

Mas os dois ceguinhos não se assustavam fácil, e por isso repetiram seu clamor, com ainda mais força:

– Senhor, filho de Davi, tende piedade de nós!

Escutando as suas vozes, Jesus parou a marcha e foi até eles.

– Que querem que lhes faça? – disse, com doçura, o nazareno de Belém.

– Senhor, faça com que nossos olhos se abram! – disseram os dois, num coro gemente.


The Healing of the blind Bartimaeus-Carl Bloch, 1871
A Cura do Cego Bartimeu - Carl Bloch, 1871


Compadecido, Jesus tocou-lhe os olhos e, no mesmo instante, ambos recobraram a visão, integrando-se ao séquito de Jesus.

(Na versão de Marcos, só há um cego, como dissemos, e tem até um nome: chama-se Bartimeu.)

FIM

 

ϟ
 

Resultado de imagem para as 100 melhores histórias da bíblia


excerto de

JESUS E OS MILAGRES DE CURA
in 'As 100 melhores histórias da Bíblia'
Carmen Seganfredo & Ademilson Franchini
Porto Alegre | L&PM, 2011.
 


 

Δ

19.Abr.2019
Maria José Alegre