Ξ  

 

 Sobre a Deficiência Visual


Cerromaior

Manuel da Fonseca

-excerto-

El ciego y los romances - Jose Gutierrez Solana

 

A maior parte dos camponeses já havia feito as compras e enchera as vendas do largo. De quando em quando, atraídos pelas gargalhadas dos que estavam de fora, chegavam às portas.

O motivo do riso era a loucura mansa do aguadeiro, já bêbado, de fralda de camisa fora das calças, ajoelhado diante do burro.

O meu burro é um santo!

Cada domingo, a bebedeira trazia novos aspectos à doidice do Zé da Água. Perante as gargalhadas gerais, obrigava o burro a bater com as patas repetidas vezes no chão enquanto agitava ele os pés descalços, num compasso marcado.

Estavam a dançar o fandango. Por fim parou. Um sorriso alvar escorria-lhe do rosto e dos olhos aguadas e era, num momento, substituído por tal expressão de espanto que os olhos mortiços se lhe abriam atónitos.

Ganha-me o pão e ainda dança que nem um homem! Continua a falar e o animal segue-o, rua acima. As bilhas vão escorrendo, duas de cada lado da albarda. De súbito, Zé da Água salta e dá punhadas no peito, enquanto grita para o largo: É mais esperto que vocês todos juntos! Ajoelha de novo, põe as mãos e atira a voz para as alturas: Nosso Senhor mo guarde!... 

[...]

Um cego, arrastando uma cantilena gritada, apareceu lá ao cimo da rua. Vinha a passo lento, batido, o corpo ora a um lado, ora a outro. Perto, uma criança de cabelos caídos sobre os olhos estendia a mão a esmolas.

Todos se voltaram desinteressados do fumo que se extinguia lentamente.

Desviando-se de um e de outro, Zé da Água largou o burro e correu a ajoelhar-se em frente do cego.

Pôs-se a bater no peito. Atirava a cabeça para trás. Nos olhos redondos parava-se um espanto idiota.

O garoto desviou o mendigo. A mão do cego, num movimento igual, passava e repassava pelas cordas desafinadas da guitarra. De calça rasgada, mostrando o joelho magro e sujo, o cego caminhava a passo certo.

A voz gritada era monótona, oca. Os olhos eram brancos, baços. E passou cantando como se a vila estivesse deserta.

Ficou um rastro de silêncio enchendo a rua: os moços, sérios; os namorados, tristes; os homens, mudos, abrindo alas para o cego passar. De joelhos, todo dobrado, Zé da Água tocava com a testa nas pedras da rua.

Por detrás, sobre os telhados da vila, as muralhas do Castelo eram de sépia, no céu azul da tardinha.

FIM
 

ϟ
 

Cerromaior é o nome da (pequena) cidade onde decorre a acção do romance. Se bem que sendo uma cidade imaginária são notórias as semelhanças com a terra natal de Manuel da Fonseca, Santiago do Cacém. Aliás, o facto é referido pelo próprio logo no prefácio da obra «Cercado de cerros, que vão de roda em anfiteatro com o lugar do palco largamente aberto sobre a planície e o mar, o cerro de Santiago é de todos o mais alto. Daí o título: Cerromaior. Vila que me propus tratar...»  
À sua Santiago, Manuel da Fonseca apenas retirou a proximidade do mar. Assim, Cerromaior retrata-nos uma cidade cercada pelo campo e a realidade alentejana dos anos trinta e quarenta. São focadas todas as classes sociais: a família de latifundiários que cidade; o proletariado rural, objecto da exploração económica; a GNR, aliada dos poderosos. WOOK

 

Cerro Maior

Cerromaior
Manuel da Fonseca
romance (1943)
Editorial Caminho
 


Δ

5.Fev.2016
Publicado por MJA