Ξ  

 

 Sobre a Deficiência Visual


Georg Bartisch e a Ophthalmodouleia

Maria José Alegre

Georg Bartisch - Tratamento de cílios com grampos

Georg Bartisch (1535-1606) é considerado o fundador da Oftalmologia moderna. Natural de Königsbrück, na Saxónia, nasceu no seio de uma família pobre e não teve meios para receber uma educação formal como médico. Começou aos 13 anos a servir como aprendiz de cirurgiões barbeiros, mais tarde praticou como cirurgião itinerante e estudou com especialistas de artes ocultas.


clique nas imagens para as aumentar

Aplicação de um medicamento antes de cirurgia Doente atado como preparação para cirurgia a pterígio Operação às cataratas


Em Dresden, onde se estabeleceu como clínico oftalmológico, adquiriu ampla clientela e criou renome. Graças à reputação alcançada no tratamento dos olhos e das suas doenças,  acabou por ascender em 1588, à importante posição de médico dos olhos da corte para o Duque Augusto I, Eleitor da Saxónia.  Nada mal para alguém que tinha começado como cirurgião barbeiro analfabeto.

Máscaras para tratamento do estrabismo


A sua obra magna - a Ophthalmodouleia: Isto é, o Serviço dos Olhos - reflecte vastos conhecimentos, ancorados na observação e na experiência, misturados com uma interessante quantidade de superstições, naturalmente parte do tecido do seu tempo.  Não obstante as superstições, a Ophthalmodouleia constitui um marco na história da medicina e da oftalmologia e ressalta mais o génio de Bartisch como mestre de conhecimentos empíricos, do que a sua partilha do charlatanismo comum aos  tradicionais estudiosos de medicina da época.
 

Contracção da pupila

Correcção do ectrópio

Tumores nas pálpebras


Em 1583, quando terminou a Ophthalmodouleia, que dedicou ao seu patrono, o Eleitor da Saxónia, Georg Bartisch estava a publicar não só o primeiro trabalho sistemático sobre doenças, medicamentos, tratamentos  e cirurgias dos olhos - uma monografia de 273 páginas - como o primeiro atlas oftálmico, ao incluir na obra 92 xilogravuras de página inteira representando doenças dos olhos, metodologias cirúrgicas e tipos diversos de instrumentação.
 

Tratamento de um problema ocular Tratamento de cílios com grampos Extirpação de pterígio


Ele próprio é responsável pelas ilustrações. O facto de não saber escrever força-o a dar uma maior importância ao desenho como linguagem de comunicação e registo. Acredita-se que as xilogravuras incluindo algumas repetições, tenham sido executadas por Hans Hewamaul a partir de desenhos e aguarelas pintadas pelo próprio Georg Bartisch. A impressão do livro foi feita por Matthes Stöckel de Dresden, tendo sido paga pelo próprio Bartisch.
 

Georg Bartisch: Prolapso da íris
Prolapso da íris
 
"Ophthalmodouleia: das ist, Augendienst" é o primeiro tratado moderno de cirurgia ocular e o livro que estabeleceu o termo pelo qual ficou conhecida esta especialidade médica. É um dos primeiros livros médicos a serem impressos em vernáculo alemão em vez dos tradicionais latim ou grego.
 

Mulher com estrabismo

Verrugas nas pálpebras

Prolapso da íris


O livro está esquematicamente organizado, começando com a anatomia da cabeça e dos olhos - de acordo com Galeno (129-c.216) e Vesalius (1514-1564) o pai da anatomia moderna - e continuando com o estrabismo, cataratas, doenças externas e traumatismos. Há também um capítulo sobre feridas e lesões resultantes de magia e bruxaria. Foi amplamente estudado e consultado por médicos e estudantes, e a sua mera existência sugere que a prática da oftalmologia podia ser já considerada, no séc. XVI como uma especialidade médica e cirúrgica diferenciada. Para além de que era já possível manter uma carreira "ao serviço dos olhos."
 

Tumores em forma de frutos

Ptose palpebral

Pinças para extirpação radical de cílios


Os capítulos estão organizados sempre da mesma forma, cada um incluindo uma descrição do problema, seguida da discussão sobre a doença, uma lista de prescrições normalmente à base de ervas, e, finalmente, as abordagens cirúrgicas.

Bartisch baseou o seu método no estudo e compreensão da anatomia, fisiologia e óptica do olho. As placas anatómicas que produziu são famosas pelas suas "abas" que ao serem levantadas, vão sucessivamente  revelando a camada seguinte.
 

Anatomia do cérebro -  abas 1 e 2
 Bartisch: Anatomia do cérebro - aba 1     Bartisch: Anatomia do cérebro - aba 2

A Ophthalmodouleia está dividida em 16 secções; para além das descrições pormenorizadas de várias doenças oculares e respectivos tratamentos, contém capítulos sobre magia negra e feitiçaria.
 

Catarata azul

Procedimento cirúrgico para remoção de cataratas

Homem usando uma venda sobre os olhos


Distingue 6 diferentes tipos de cataratas de acordo com a sua cor (brancas, azuis, cinzentas, verdes, amarelas e pretas). Descreve o abaixamento da catarata e as suas complicações. Recomenda  tipos diferentes de cirurgia da pálpebra. Descreve  operações à ptose palpebral e ao calázio e a remoção dos cílios para curar a triquíase. Apresenta sugestões para o tratamento do tracoma, da exoftalmia, fístulas lacrimais, tumores e lesões diversas causadas por corpos estranhos. Descreve a exenteração da órbita - para a qual, aliás criou um instrumento. Recomenda máscaras para a correcção de olhos estrábicos. Relata, pela primeira vez, várias doenças: reacções alérgicas, oftalmia simpática, hemeralopia, ceratoconjuntivite fotoeléctrica e amaurose devida a toxemia da gravidez. Mas a parte mais importante é a relativa aos procedimentos cirúrgicos, em que por exemplo, nos casos de catarata, é descrito um cuidadoso tratamento pré e pós-operatório.
 

Mulher com massas nos olhos

Pterígio angular

Mulher com fístula lacrimal


Bartisch opunha-se fortemente aos oculistas itinerantes da altura, e discordava da nova moda de usar óculos. Não conseguia imaginar como um olho que já via mal podia melhorar quando se lhe colocava uma coisa à frente. Achava também que eles estragavam a visão. Apesar desta opinião uma das gravuras (ver abaixo) retrata um homem a ler, com óculos.

Achava também que a astrologia tinha um papel importante no sucesso ou insucesso da cirurgia. Por causa desta convicção apenas praticava cirurgias durante certos períodos astrológicos e nas fases da lua apropriadas. Acreditava na intervenção do diabo e na relação entre o pecado e determinadas doenças. Por exemplo, a presbiopia estaria ligada ao uso excessivo de bebidas alcoólicas.

Anatomia do olho (com várias abas levantadas)

Signos do Zodíaco e sua relação com as diferentes partes do corpo humano

Leitura com óculos


Para além do seu valor didáctico, a Ophthalmodouleia sobreviveu séculos por ser valorizada como objecto de arte. Por ser artisticamente impresso e belamente ilustrado, o livro foi cuidadosamente protegido e preservado pelos seus possuidores. Muitas das ilustrações são feitas a partir de pessoas reais e são ricas em detalhes, representando casos reais. Os homens, mulheres e crianças retratados estão vestidos de acordo com a última moda renascentista – com as suas golas de renda, coletes e penteados muito elaborados e  entretecidos com jóias.

Image of Bartisch, 1583
Georg Bartisch


Algumas das mais evocativas ilustrações incluem tratamentos de Bartisch para diferentes tipos de catarata e projectos para máscaras infantis destinadas a tratar olhos estrábicos. O livro termina com uma lista de mais de 600 receitas e instruções para fazer medicamentos.

Tratamento de quistos

Massas de tecido cicatricial cobrem a conjuntiva

Uso de 'clamps' na cirurgia das pálpebras


Após 1583, as placas das ilustrações, foram cuidadosamente coloridas à mão em algumas novas cópias do livro. Uma destas cópias pertence à Universidade de Duke e outra foi doada por Émile Javal (1839-1907) à Sociedade Francesa de Oftalmologia.
 

A Ophthalmodoleia - PÁGINA-TÍTULO
página-título da "Ophthalmodouleia" (1583)

A Ophthalmodouleia de Bartisch é um trabalho fundamental da oftalmologia moderna e em todos os sentidos, uma verdadeira jóia.

 

ϟ

Bibliografia:

 


Δ

[2.Dez.2012]
Publicado por MJA