Ξ  

 

Sobre a Deficiência Visual
 

 

A Bengala Bernadete

Carla Maria de Souza
 

   


Metal, elástico, mãos habilidosas, e ela começa a surgir. É magrela, comprida e roliça, com uma proteção plástica na ponta que toca o chão. Primeiro, ela se encontra com outras iguais a ela.

Você já sabe quem vai ser seu dono? — diz uma bem pequena.

— Ainda não, mas ouvi dizer que vamos viajar para longe. Estão montando as caixas em que vão nos embalar.

Todas estão excitadas, doidas para ganhar o mundo. Como bengalas que são, não querem ficar paradas; querem ganhar mundo, pois para isso foram feitas.

— Cada uma numa bolsa com outros materiais — diz o gerente aos operários.

Bernadete é colocada em uma bela sacola, depois de despedir-se das amigas. — Para onde será que elas vão? — pensa curiosa.

Na bolsa, durante a viagem, ela descobre amigos: dois punções e uma reglete, que servem para escrever; um tal de sorobã, que vive dizendo: «matemática é com o bom aqui!»; um pequeno engraçadinho, que tem o nome importante de «Guia de assinatura», mas que gosta mesmo de ser chamado de «assinador». Todos falam o tempo todo e estão doidos para trabalhar.

Chegando à mão do dono, que surpresa! Quando ele abre a bolsa e tira tudo de dentro, Bernadete descobre as amigas. Todas foram para o mesmo lugar. Eram vários jovens cegos, aliás, crianças ainda. Todos com bolsas cheias de materiais novos e curiosos para experimentar tudo.

— Legal! Minha bengala é do jeito que eu imaginei! — diz uma menina, tirando a sua bolsa e já testando como andar com ela — ela vai se chamar Bianca.

Os outros riram.

— Por que Bianca?

— Porque bengala tem que ter nome com B.

A brincadeira pegou, e nossa heroína foi batizada com o nome que já conhecemos: Bernadete.

Durante um tempo, ela ficou mais dentro da bolsa do que fora. Às vezes, quando o menino abria a bolsa para tirar punção, reglete ou sorobã, ela dava um impulso, saltava e se esticava toda. Todo mundo achava que era por causa do elástico novo, mas que nada. Era muita vontade que Bernadete tinha de correr mundo. Mas o menino a desarmava, dizendo:

— Caiu de novo.

E guardava outra vez. Quando ele ameaçava pegá-la realmente para ir a algum lugar, a mãe, ou o pai, ou a avó logo dizia:

— Guarda isso aí! Não precisa, eu vou te levar.

E lá ia Bernadete de novo para a bolsa. Já estava ficando deprimida. Pelas conversas que conseguia ouvir, sabia que suas amigas estavam andando por aí, vendo praias, parques, casas, entrando e saindo de ônibus, e ela não conhecia nada.

Um dia, no vestiário, depois da aula de natação, chegou o grande triunfo de nossa heroína. Seu dono foi informado de que não haveria a aula de informática por falta de luz, e um colega propôs:

— Por que, em vez de avisar em sua casa, você não vem comigo? Desço dois pontos depois da sua casa e posso te ensinar o caminho. Se você não fizer isso, nunca vão te deixar sair sozinho.

O colega tinha razão. Ele já tinha 18 anos e, apesar das insistentes conversas dos professores, os pais prometiam, mas não deixavam que saísse usando a bengala. Teria que ser no susto. Bernadete saiu da bolsa ardendo por trabalhar. O caminho era fascinante!: árvores, carros, muros, e ela ia ajudando o jovem a desviar de tudo.

— Que susto, menino! Como é que você veio parar aqui sozinho?! — perguntou a mãe quando o viu chegando.

— Sozinho não, mãe; com a bengala — disse ele se matando de rir.

Daquele dia em diante, Bernadete passou a trabalhar de verdade!: festas, casas de amigos, cursos, escola, banco, casa de parentes… Todos os roteiros se tornaram conhecidos para ela. Reviu amigas, conheceu outras colegas, entrou em buracos perigosos, de onde o dono a tirava com cuidado para que não quebrasse.

— Eca! « Caquinha de cachorro!» Era complicado desviar de tudo. Às vezes, ficava arrasada, quando o rapaz batia num orelhão, por exemplo, pois neste caso ela não podia fazer nada. Mas, com o tempo, aprendeu que isso era normal, fazia parte da vida, e que seu dono levava até com bom humor a situação toda.

O tempo passou e havia dias em que Bernadete ficava até cansada de tanto andar, mas não reclamava. Correspondia sempre da melhor maneira. Seu dono, agora, andava engravatado, frequentava tribunais e a guardava numa pasta elegante, mas não abria mão dela.

Um dia, conheceu outra bengala num canto de uma casa, onde estava rolando a maior festa e, pela maneira como seu dono e a dona da outra bengala chegaram rindo para busca-las, entendeu que ainda se veriam muitas vezes. Acertou. Durante três anos se encontravam muito, as duas, até que um dia passaram a viver na mesma casa, habitando a mesma prateleira do armário quando não estavam sendo usadas.

— Não confunda. Esta é a minha Bernadete. Ela tem nome desde que eu a ganhei — reclamou ele um dia quando a mulher quase pegou a bengala errada. Ele a reconhecia em qualquer lugar.

— Nem notei que ela era muito grande para mim — disse a moça rindo.

Depois de algum tempo, a responsabilidade de Bernadete aumentou: se ela falhasse, se não funcionasse a contento, o bebê podia cair dos braços do pai, ou da mãe que, às vezes, o marido conduzia, e ela levava isso muito a sério.

Um dia, porém, um acidente sério impediu Bernadete de continuar sua nobre tarefa: um buraco mais estreito, e a coitadinha ficou completamente torta.

— Vou comprar outra bengala! — disse o rapaz, decidido.

Bernadete entrou em crise. Achou que ia acabar no ferro-velho. Mas, quando a bengala nova chegou, o rapaz tomou uma decisão:

— Vou usar a nova, mas não vou me desfazer da minha primeira bengala. Foi com ela que me tornei independente. Ela me ensinou o quanto eu era capaz de andar sozinho. Preciso guardá-la.

Poucas vezes nossa personagem saía da prateleira; mas, quando isso acontecia, era para mostrar a algum dos filhos ou a quem conversasse com ele sobre autonomia e sobre sua vida, como Bernadete havia sido importante, e ela se sentia orgulhosa e valorizada.

FIM

 

ϟ

 

BERNADETE
autora: Professora Carla Maria de Souza, Instituto Benjamin Constant.
fonte: «Pontinhos» n.º 354, julho / setembro de 2015
'Pontinhos' é uma revista trimestral infanto-jovenil editada pelo Instituto Benjamin Constant, no Rio de Janeiro

 


 

Δ

[15.Out.2016]
Publicado por MJA